5 FORMAS DE IDENTIFICAR O BULLYING E EDUCAR SEUS FILHOS COMO A ESCRITORA CLAUDIA KALHOEFER

Mãe de 3 crianças americanas, Cláudia Kalhoefer é uma brasileira nascida em Minas Gerais, cidadã americana, que escreveu um livro infantil internacional, com a participação de suas filhas Alice e Aghata, o livro "AS PRINCESAS ENCARACOLADAS", para ajudar milhares de Mães e crianças que sofrem de bullying diariamente, como é visto nesta matéria.

Em pleno século XXI, ainda somos surpreendidos por histórias e relatos de mães e filhos que sofrem diariamente. E tudo pode ser evitado desde a infância e com ajuda dos próprios pais e principalmente com a leitura de livros infantis mostrando a diversidade.

Citamos nesta matéria as 5 maneiras de identificar o bullying, a busca de popularidade ou status social são algumas das razões que motivam o autor do bullying a praticá-lo. Reforço da identidade do grupo — e consequente exclusão daqueles que não fazem parte do grupo. Afirmação de poder. Vejam as 5 formas do bullying:

Bullying verbal

São os apelidos criados a partir das características físicas da criança e usados para ofendê-la diante da classe. Os mais comuns são “gorducho”, “dentuço”, “orelhudo”, “magrelo”, “quatro olhos” e “narigudo”.

O bullying verbal também pode acontecer com as crianças deficientes, que são ofendidas pela deficiência que possuem.

Bullying físico

São as agressões físicas como empurrões, chutes, puxões de cabelo e tapas. Geralmente acontecem em situações que a vítima não consegue reagir.

Bullying psicológico

O bullying psicológico é demonstrado por meio de ameaças, chantagens e discriminações. É comum as vítimas cederem a esse tipo de bullying na esperança de que as importunações cheguem ao fim.

Bullying material

É o ato de rasgar, esconder ou danificar objetos da vítima. Em sala de aula, essa prática ocorre principalmente quando a criança que sofre bullying não está presente.

Cyberbullying

O Cyberbullying são as agressões verbais e as ameaças que acontecem na internet. Com a tecnologia cada vez mais presente no cotidiano da geração Alpha, esse tipo de bullying é mais comum entre os pré-adolescentes que possuem perfis nas redes sociais.


Diante destes fatos, é importante que os pais conversem com seus filhos, permitindo que eles expressem seus sentimentos em relação às agressões e ameaças que sofrem. Evite fazer críticas e não minimize o problema. A criança precisa ser ouvida. Os pais devem relatar o bullying com crianças a um responsável na escola para tomar providências contra os agressores.

Mas, o mais importante é os pais se fazerem presente na vida dos filhos, serem amigos, transmitir amor e carinho, ajudando seus filhos a terem compaixão dessas crianças feridas, que acabam ferindo verbalmente outras crianças, para chamar atenção.

É fundamental que os pais mais sensatos e amorosos busquem de alguma forma ensinar seus filhos, seja através de uma conversa ou contando uma história, lendo um livro de forma simples e divertida.

Assim como fez a escritora brasileira e cidadã americana Cláudia Kalhoefer, de Minas Gerais, onde decidiu mudar a sua história e a de suas filhas, escrevendo um livro infantil,

"AS PRINCESAS ENCARACOLADAS", para ajudar milhares de mães e crianças que sofreram ou ainda sofrem com o bullying. Contando a história de suas filhas e sua família, as tornando protagonistas de sua própria vida, conquistando até um prêmio internacional como o melhor livro infantil brasileiro no exterior. O livro "AS PRINCESAS ENCARACOLADAS", tornou-se uma referência, para Mães que trabalham com a educação e passou a ser solicitado também por escolas privadas. Você também pode adquirir o seu, e mudar a historia de suas crianças de uma forma mais leve e divertida. Clique neste link abaixo e adquire também o seu.

O livro “As Princesas Encaracoladas” é a história real de duas irmãs americanas: Agatha e Alice, que amam os contos de princesas. Mas que perceberam que a maioria delas tem belezas que replicam apenas os modelos de meninas brancas e com cabelos lisos.

A Agatha e a Alice tem os cabelos cacheados diz a escritora. Então, elas começaram a questionar porque as princesas dos livros e filmes não tem os cabelos como o delas. De uma forma simples e leve, as Princesas falam sobre aceitação, inclusão e diversidade. O livro ensina ao pequeno leitor que os cabelos cacheados, longos, curtos, crespos ou lisos são todos únicos, lindos e especiais! A Agatha e a Alice compartilham que as crianças devem se amar do jeitinho que elas são e que todos nós devemos aprender a enxergar a beleza única de cada um, sem preconceitos e julgamentos.

A obra foi escrita por Cláudia Kalhoefer, enfermeira, bacharel em direito, educadora parental, “As Princesas Encaracoladas” é um exercício de empoderamento que as crianças devem exercer em seu cotidiano, para se amarem como são e respeitarem umas às outras. No final do livro tem imagens para colorir e amúsica The Curly Hair QRcode com um reconto da história. https://www.claudiakalhoefer.com/shop




49 visualizações0 comentário